Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DO TRABALHO

“Meu pai trabalha até agora, e eu trabalho também”
Jesus – João 5:17

Amigos do Grupo

É pela bênção do trabalho que podemos esquecer os pensamentos que nos perturbam, esquecer os assuntos amargos, servindo ao próximo, no enriquecimento de nós mesmos.
Com o trabalho, melhoramos nossa casa e engrandecemos o trecho de terra onde a Providência Divina nos situou.
Ocupando a mente, o coração e os braços nas tarefas do bem, exemplificamos a verdadeira fraternidade e adquirimos o tesouro da simpatia, com o qual angariaremos o respeito e a cooperação dos outros.
Quem não sabe ser útil não corresponde à Bondade do Céu, não atende aos seus justos deveres para com a humanidade e nem retribui a dignidade da pátria amorosa que lhe serve de mãe.
O trabalho é uma instituição de Deus.
Meimei

Texto do Evangelho para a semana:
Capítulo: -XXV – Itens: 1,2 e 3 – “Buscai e Achareis”

A LEI DO TRABALHO

O verme aduba.
A terra acalenta.
O orvalho protege.
O vento renova.
A semente produz.
O arado sulca.
A enxada coopera.
O tronco ampara.
A flor embalsama.
O fruto alimenta.
A pedra segura.
A fonte enriquece.
O fio agasalha.
A agulha compõe.
A estrada aproxima.
O sinal informa.
A ponte reúne.
A pena grava.
O martelo afeiçoa.
O serrote corrige.
O teto recolhe.
A mesa atende.
O vaso auxilia.
A lâmpada clareia.
O leito socorre.

A própria chama condicionada é uma benção da lareira doméstica e a gota de veneno, controlada, a rigor é um remédio que cura.
Repare a lei do trabalho e da disciplina, funcionando junto de ti, através dos fatos e coisas, aparentemente sem importância.
Tudo age.
Tudo obedece.
Tudo evolui.
Tudo responde.
Tudo serve.

E, sabendo que cada criatura deve ser útil, conforme as faculdades de que disponha, observa o que fazer com o tesouro das horas, porquanto o tempo chamado “hoje” é recurso em teu favor, na contabilidade da vida, marcando-te acerto de contas para amanhã.
Emmanuel

Livro: Ideal Espírita – autores diversos
Psicografia: Francisco Cândido Xavier