Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DO PERDÃO

“ PERDOAI NOSSAS OFENSAS ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS
AOS NOSSOS OFENSORES.
JESUS

Amigos do Grupo

Analisemos durante esta semana a necessidade que todos nós temos de esquecer algumas ofensas para vivermos melhor, perdoar nem sempre é fácil, e o esquecimento é o primeiro passo para o perdão.
Somente aquele que se soubesse perfeito poderia não ter ninguém a quem pedir perdão, mas sabemos que nosso planeta ainda não se encontra nesta situação, portanto precisamos aprender a pedir e também a conceder o perdão a quem nos pede, uma vez que todos somos passíveis de enganos.
Nós sabemos o quanto as lembranças amargas, não esquecidas, não perdoadas, podem nos prejudicar transformando-se em doenças às vezes incuráveis.
Como nos diz Richard Simonetti – Esquecer o mal é não guardar lembranças amargas.
Não nos esqueçamos da lição do Cristo no momento supremo:
— Perdoa – os Pai eles não sabem o que fazem.

Leitura do Evangelho para esta semana:
Capítulo X itens 5/6.

DESCULPA SEMPRE

“ Se perdoardes aos homens as
suas ofensas, também vosso Pai
Celestial vos perdoará.”
Jesus

Por mais grave te pareçam as faltas do próximo, não te detenhas na reprovação.
Condenar é cristalizar as trevas, opondo barreiras ao serviço da luz.
Procura nas vítimas da maldade algum bem com que possas
soergue-las assim como a vida opera o milagre do reverdecimento nas árvores aparentemente mortas.
Antes de tudo, lembra quão difícil é julgar as decisões de criaturas em experiências que divergem da nossa.
Como refletir, apropriando-nos da consciência alheia, e como sentir a realidade, usando um coração que não nos pertence.
Se o mundo, hoje, grita alarmando, em derredor de teus passos, faze silêncio e espera…
A observação justa é impraticável quando a neblina nos cerca.
Amanhã, quando o equilíbrio for restaurado, conseguirás suficiente clareza para que a sombra te não altere o entendimento.
Além disso, nos problemas de critica, não te suponhas isento dela.
Através da nociva complacência para contigo mesmo, não percebes quantas vezes te mostras menos simpático aos semelhantes!
Se há quem nos ame as qualidades louváveis, há quem nos destaque as cicatrizes e os defeitos.
Se há quem ajude, exaltando-nos o porvir luminoso, há quem nos perturbe, constrangendo-nos à revisão do passado escuro.
Usa, pois a bondade, e desculpa incessantemente.
Ensina-nos a Boa Nova que o Amor cobre a multidão de pecados.
Quem perdoa, esquecendo o mal e avivando o bem, recebe do Pai Celestial, na simpatia e na cooperação do próximo, o alvará da libertação de si mesmo, habilitando-se a sublimes renovações.

Livro – Fonte Viva cap.135
De Emmanuel – Psic. Chico Xavier