Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DO DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA

“Não existe sucesso ou felicidade sem o exercício pleno da cidadania e da ética global.”
Carlos Roberto Sabbi (professor)

AMIGOS DO GRUPO
“Cidadania é o conjunto de direitos e deveres ao qual um indivíduo está sujeito em relação à sociedade em que vive.”
Mas Jesus, cidadão Modelo do nosso Planeta veio ampliar esse conceito trazendo-nos a máxima “Faça ao outro o que gostaria que ele te fizesse”.
Com esse ensinamento, ele nos coloca a responsabilidade do exercício da cidadania para além da fronteira dos direitos e dos deveres; mostrando-nos o quanto depende de cada um de nós o estado de equilíbrio, harmonia, paz e felicidade, individual e coletiva.
A família, a comunidade, a cidade, o planeta em que estamos inseridos, formam uma realidade coletiva, cuja ação de cidadania individual, que muitas vezes, parece insignificante, faz toda a diferença no resultado final.
Todo Ser Imortal é um Cidadão Universal e quando buscamos o bem comum, estamos construindo, hoje o tão almejado Mundo de Regeneração do amanhã.
Façamos a nossa parte!!!

Texto do Evangelho para a semana:
Capitulo: XVII – Item – 07 – 1º e 2º parágrafos “O Dever”


A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

(…)Nos dias atuais, o legítimo detentor de cidadania sabe que é sujeito de direitos, mas também de deveres. Tem consciência de que faz parte de uma sociedade, e que por isso tem o dever de contribuir para o bem coletivo, pois sabe que uma melhor ou pior sociedade é o resultado do somatório das ações individuais. Cidadania hoje traduz interesse e participação. Interessar-se pelo bem comum e contribuir de diversas formas para realizá-lo.
Em relação à participação, foi aí que a evolução se fez maior. Hoje, são inúmeras as formas de participação.
Muitas vezes nos sentimos desanimados, pois elegemos nossos representantes e depois não conseguimos interferir em suas decisões. Mas, não podemos medir a eficiência de nosso exercício de cidadania pela capacidade de dirigir as decisões dos representantes. Podemos sim medi-la por nossa colaboração diária em direção aos objetivos comuns que almejamos. Estaremos exercitando eficientemente nossa cidadania no momento em que estivermos utilizando plenamente os recursos que temos nas mãos em prol do bem coletivo, que é o objetivo a ser alcançado. Não seremos cidadãos somente nos momentos em que obtivermos sucesso em nossos objetivos. Poderemos nos designar cidadãos à medida em que estivermos colaborando e fazendo nossa parte para o bem social. Estamos exercendo nossa cidadania, por exemplo, quando ajudamos no recolhimento do lixo na nossa rua, em nossas praias; quando contribuímos para reduzir o desperdício de forma geral, seja de água, alimentos, produtos, etc.; através do exercício da solidariedade, pois a solidariedade está intimamente ligada ao conceito de bem comum; entre outras ações práticas de nossa vida diária.
Outra forma de exercemos a cidadania é contribuindo para a educação de nossos semelhantes, através do compartilhamento de informações, dicas e campanhas acerca de interesses públicos e de reflexão em torno de temas relevantes para a sociedade. E hoje, temos uma excelente ferramenta nesse sentido, que é a internet. Qualquer um que quiser contribuir para uma sociedade mais reflexiva, mais politizada, poderá dar sua participação utilizando os maravilhosos recursos que hoje nos são disponibilizados pela internet.
(…)À medida em que estivermos utilizando os recursos que temos em mãos para ajudar, colaborar com uma sociedade mais humana, seja com palavras, mensagens, ou com ações práticas, estaremos exercitando a cidadania e deixando nosso quinhão participativo na busca de uma sociedade melhor para se viver.
As transformações sociais são intensas e rápidas. E isso reformula conceitos estabelecidos. Os conceitos sociais são dinâmicos. Por isso o conceito de cidadania mudou tanto no decorrer dos tempos. Precisamos acompanhar as mudanças, e mudar também nossa maneira de sermos cidadãos. Participar, por ações ou por palavras; utilizar os recursos disponíveis em prol de causas benéficas para a sociedade; conscientizar de que não há mais espaço para inércia, individualismo e para esperar que qualquer melhoria social venha de cima para baixo sem nenhum esforço de nossa parte. Vivemos hoje em uma sociedade muito mais dinâmica, onde a participação consciente da população é cada vez mais necessária para a obtenção de bons resultados, portanto, façamos nossa parte para a construção de uma sociedade melhor, mais saudável, mais evoluída, mais feliz.
Luciana G. Rugani

impressora