Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DE VIGIAR E ORAR

Semana de 28 de outubro a 03 de novembro.

“A mente que ora, sintoniza com as fontes da vida, enriquecendo-se de forças espirituais e lucidez.”
Joanna de Ângelis

AMIGOS

Abaixo segue um texto de Emmanuel, extraído do livro Bênção de Paz, psicografado por Chico Xavier.
Reflitamos e que Deus nos abençoe e intua a fazermos as melhores escolhas com sabedoria.

“Diante da penúria, orar, desenvolvendo serviço que a desfaça.
Diante da ignorância, orar, acendendo luz que lhe dissipe a sombra.
Diante da enfermidade, orar, procurando medicação que lhe afaste os prejuízos.
Diante do desastre, orar, empreendendo ações que lhe anulem os efeitos.
Diante da dificuldade, orar, aproveitando a lição dos obstáculos de modo a evitá-los futuramente.
Diante do sofrimento, orar, construindo caminhos para a devida libertação.
Diante da discórdia, orar, edificando recursos para o estabelecimento da paz.
Orar sempre, mas agir cada vez mais para que se realize o melhor.
Disse-nos o Senhor: vigiai e orai para que não entreis em tentação. . . e, realmente, acima de tudo vigiam e oram aqueles que ativamente se esforçam para que, em tudo, se faça o bem que nos cabe fazer.”

Texto do Evangelho para a semana: Cap.: V – Item: 4 – “Causas atuais da Aflições”

ORAÇÃO E VIGILÂNCIA

Muitas são as formas pelas quais o homem pode se pôr em oração.
Pode repetir as palavras ensinadas por Jesus aos Apóstolos, na última ceia, por meio do Pai Nosso.
Pode, ainda, dialogar com o Criador, por meio de palavras singelas e sinceras, agradecendo as dádivas que recebe e pedindo pelo amparo de que necessita.
Há, no entanto, outra forma de oração.
Há a prece-ação, por meio da qual o ser, ativamente, liga-se a Deus.
Ora o trabalhador que curva o corpo no arado e sulca o seio da terra.
Ora a professora que, tomando as mãos do pequenino, o conduz através da experiência do alfabeto.
Ora o jovem que renuncia aos prazeres fáceis do mundo, oferecendo suas horas ao ministério da enfermagem.
Ora o homem que empreende a luta honesta para a aquisição do pão que lhe honra a estabilidade doméstica.
Ora a mãe que ampara e aleita o pequenino ser gerado.
Ora a criança que ingenuamente brinda a vida, correndo e rindo, por entre as flores do jardim.
Quem, buscando a fonte generosa, distribui água refrescante, ora, porque matar a sede do aflito é também orar.
No entanto, o Sublime Galileu foi incisivo em Sua orientação de que é necessário orar e vigiar.
E quão pouco vigilantes temos sido ao longo dos séculos.
Quantas vezes sucumbimos à ira, aos desejos inferiores, abandonando o caminho do bem.
Em inúmeras oportunidades de crescimento e soerguimento moral, deixamo-nos arrastar pela correnteza da vida, deixando para trás a porta estreita que nos levaria à felicidade verdadeira.
Deve-se vigiar constantemente para não resvalar outra vez nos desfiladeiros da desdita e das sombras.
Quando a boca, na disputa verbalista, for tentada ao revide, silenciemos e vigiemos humildemente.
Calar uma ofensa é prova inequívoca de que não se deixou levar pela agressão indevida.
A mão que deixa de apontar na via pública um antigo opositor, vigia, porque não acusar é exercer a vigilância sobre si mesmo.
A alma que pretendia saltar perigosa sobre o agressor e, ao invés disso, despedaça a cólera aninhada no coração, vigia, porque perdoar o crime é colocar-se em vigília.
Jesus nos orienta para que não nos deixemos contaminar pelo veneno do mundo.

* * *
A oração é o meio mais eficiente de nos colocar em ligação com o Pai Criador.
A vigilância é a mais eficiente forma da qual dispomos para não sucumbir fragilmente diante das dificuldades e das tentações da vida.
Aquele que ora se aproxima de Deus e, quando vigia, permite-se estar em sintonia com a Divindade.
Em dias turbulentos como os nossos, orar é pacificar a mente e o coração.
Vigiar é não permitir que as bênçãos divinas sejam desperdiçadas ao primeiro sopro da adversidade.
Quando o ser está vigilante não se deixa levar pelos rompantes que desestabilizam os corações mais frágeis e ignorantes.
Quem ora e vigia encontra-se imune às influências dos adversários do bem, porque tem mais condições de enfrentar as provas da vida e sair vitorioso.
Orai e vigiai, aconselhou-nos Jesus.
Eis aí um sábio e valoroso conselho de Quem conhece nossas dificuldades mais íntimas e ama-nos profundamente.
Pensemos nisso!

Do livro: Enfoques Espíritas
Pelo Espírito: Vianna de Carvalho
Psicografia de: Divaldo Pereira Franco