Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA PERSISTÊNCIA

“É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa.
Mas a graça das graças é não desistir nunca. ”
Dom Hélder Câmara

AMIGOS DO GRUPO

Confundimos constantemente teimosia com persistência. Teimosia é insistir em fazer algo que não traga proveito legítimo nem a nós nem ao próximo.
Agora, persistir é algo bem diferente. Quem persiste enfrenta as dificuldades e obstáculos do caminho para alcançar o objetivo almejado; quem persiste suporta a própria dor para realizar algo que distribua benefícios aos seus entes queridos; quem persiste chora, mas não estanca.
Quem persiste quer ser útil à humanidade, à família, ao trabalho, e jamais desanima ante a incompreensão alheia porque luta por edificar o que entende ser nobre e justo; enfim, quem persiste ama a vida e por isso quer fazer dela um hino de louvor à própria existência e a das demais criaturas.
Os amigos espirituais em nossos trabalhos, estão sempre nos convidando à persistência. Não podemos desanimar e deixar de fazer o que é bom para o espirito imortal que somos.
Temos o privilégio de trabalhar numa casa espírita séria que nos acolhe e respeita, sejamos persistentes em nossos projetos buscando com sobriedade e empenho seguir nossos planos com competência e sobretudo amor.

Texto do Evangelho- capitulo I item 11 Erasto, Discípulo de São Paulo

Persistência
Wilson Garcia – Recife-PE

Em 1970, ano da minha descoberta do espiritismo, duas figuras ocupavam com destaque o topo das lideranças reconhecidas: Chico Xavier, então com 60 anos, e Divaldo Pereira Franco, com 43 anos.
Chico é indiscutível. Pessoalmente, não conheci outro exemplo maior de persistência. Estará ele hoje mais tranquilo ou continua se agastando com a excessiva mitificação?
Aos 85 anos de vida, Divaldo é candidatíssimo.
Em palestra pública na presença do então deputado Eurípedes de Castro, um Divaldo muito bem humorado diverte a platéia de dirigentes espíritas ao exclamar: “Eurípedes tem onze filhos e quer disputar comigo, mas não vai conseguir. Eu já tenho quarenta”. Divaldo se referia às crianças da Mansão do Caminho. Estávamos no início dos anos 1970.
Divaldo data daquele início. Meus olhos seguiram suas diversas direções, seus caminhos, mas fixaram-se, incontrolavelmente, nos movimentos que o orador e médium fazia para desviar dos obstáculos ou superar as barreiras que os preconceitos e os falsos conceitos constroem. Ou até mesmo para superar as dúvidas normais pulsantes que a intimidade protege da curiosidade alheia.
Todos sabemos que a imagem pública é a parte mínima visível do ser humano, mas poucos reconhecem no médium a presença deste ser humano comprometido com o imaginário sonhador, criativo, criador, desejoso e desejante.
Por isso mesmo, não têm eles o direito aos projetos pessoais, à solidão, à tristeza, às lágrimas que nascem do sentimento de injustiça, à quase inexistência do amigo confidencial, o direito ao descanso e ao silêncio, ao sono completo e aos momentos de preguiça gostosa. Não, eles não podem parecer tão humanos…
Admiro, pois, esses indivíduos persistentes, casados com o ideal, capazes de seguir a trilha, a mesma e sinuosa trilha da atividade cansativa e tão distante de todas as comodidades que a sociedade não cansa de elogiar.
Chamo a esses de homens singulares e Divaldo, para mim, aos 85 anos de vida, é, indubitavelmente, um deles.
Daqui, do meu posto de observação, vejo-o no andarilho incansável que, ano após ano, põe o pé na estrada, e enfrenta as platéias mais diversas deste planeta uno e tão diferente.
Vejo-o nas suas alocuções arrebatadoras, mas também na conversa descontraída que mostra versatilidade e adaptação. Vejo-o no psicógrafo persistente, combatido, mas ainda assim convicto, sincero, honesto.
Vejo-o na obra social da sua Bahia de todos os espíritos, a sustentar o compromisso e amparar-se a cada retorno.
Vejo-o, enfim, também na imagem, mas sabendo que entre ela e a realidade sobrevive o ser em sua condição humana, persistindo com rara e admirável capacidade de resistência.

O que penso de um homem singular (Dedicado a Divaldo Pereira Franco) Blog de WilsonGarcia

“Vem aí o nosso Encontro de Trabalhadores”

“EU PRECISO DA SUA PERSISTÊNCIA”

impressora