Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA PACIÊNCIA

Semana de 12 a 18/06/2016

“Na Vossa Paciência Possuí as Vossas Almas”
Lucas: 21,19

AMIGOS

Teorizar sobre os acontecimentos, fatos e situações é muito fácil. Olhamos um acontecimento e pronto! Já formamos nossa opinião. Lemos sobre algo, assimilamos informações e já somos capazes de formular nossas observações. Tudo parece simples e aparentemente lógico. Porém, existe uma enorme diferença em ser expectador e ser o ator. Em falar sobre uma situação sem estar nela envolvido, e vivenciar essa mesma situação.

A nossa reflexão para esta semana é sobre a virtude da Paciência. Todos a compreendemos, e com certeza, já a recomendamos para alguém em alguma ocasião. Tenha Paciência! Mas, só um momento! Será que vivenciamos essa Paciência da mesma forma que a imputamos aos outros? Será que agimos e principalmente reagimos com a “Santa Paciência” necessária diante dos problemas que se nos apresentam reclamando solução?

Esse é o grande desafio! Partirmos da compreensão, da teoria para a vivência. Sabemos que não é fácil a prática da Paciência, porém, temos que iniciar esse exercício o quanto antes possível, para que possamos, independentemente da situação, exemplificar que a pessoal Paciente é aquela que é consciente de suas limitações, mas que percebe nas adversidades da vida a oportunidade de crescimento pessoal.

Assim, comecemos por um sorriso com Amor, quando precisarmos usar a virtude da Paciência em nossas vidas.

Texto do Evangelho para esta semana: Capítulo IX, item 07 – A Paciência

Anália Franco e a Paciência

À doente que se queixava em desespero, perguntou Anália Franco que lhe velava o leito: — Permite que eu leia para seu reconforto algum pequeno trecho de Allan Kardec? — Deus me livre! — Gritou a enferma, cuspindo-lhe aos pés. Ainda assim, as mãos abnegadas de Anália continuaram ajeitando-lhe os lençóis…

Quero água! — Exigiu a doente. A amiga trouxe-lhe água pura e fresca. De copo às mãos, a enferma, num ímpeto, atirou-lhe todo o líquido à face, vociferando: — Água imunda! … como se atreve a tanto? Quero outra! Paciente e humilde, Anália enxugou o rosto molhado e, em seguida, trouxe mais água. — Quero chá.

E o chá surgiu logo. — Chá malfeito! Chá frio! O conteúdo da taça foi projetado ao peito da outra, ensopando-lhe a blusa. — Traga chá quente! Foi a ordem obedecida. — Você aceita agora o remédio? — Indagou Anália. — Que venha depressa.

Ao tomar, contudo, a poção, a dama inconformada agarra a colher e vibra um golpe no braço da amiga. Surge pequeno ferimento, mostrando sangue. E a enferma cai em crise de lágrimas. Chora, chora e depois diz: — Anália, se a religião espírita que você abraçou é o que lhe ensina a me suportar com tanta calma, leia o que quiser.

A interpelada sentou-se. Tomou “O Evangelho Segundo o Espiritismo” e leu a famosa página intitulada A paciência, no capítulo IX, que começa afirmando: “A dor é uma bênção que Deus envia a seus eleitos…” Acalmou-se a doente, que acabou aceitando o socorro do passe e o benefício da água fluidificada. A enferma, asserenada, ouviu de Anália os planos que arquitetava para o futuro, em benefício dos meninos abandonados à rua.

No dia seguinte, ao despedir-se, a obsidiada em reequilíbrio beijava as mãos de Anália e dava-lhe os primeiros dois contos de réis para começar a grande obra. Anália Franco, como se sabe, foi a heroína da seara espírita paulista, que se fez sublime benfeitora das criancinhas desamparadas.

Do livro: A Vida Escreve
Pelo Espírito: Hilário Silva
Médium: Francisco Cândido Xavier