Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA PACIÊNCIA

“Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência.”
Santo Agostinho

Amigos do Grupo

Diz um provérbio chinês que – “Um momento de paciência pode evitar um grande desastre; um momento de impaciência pode arruinar toda uma vida”.
Que grande verdade, quantas vezes na vida já vimos pessoas que em um momento de descontrole cometem erros que lhes causam sofrimento e a seus familiares durante anos a fio, porque não souberam ser pacientes.
Quantas vezes nossa impaciência não magoa as pessoas com quem vivemos. Quantas oportunidades de empregos não são perdidas por impaciência para com uma fila ou com alguém, ou com uma situação.
Não nascemos pacientes. Ela é uma virtude conquistada a cada dia com muito treinamento e vontade. É necessário que aprendamos a treina-la para não cairmos nas faixas inferiores, da ansiedade, da insegurança ou mesmo da violência, que já são tão abundantes em nossa sociedade.
Texto do Evangelho para a semana –
Capitulo IX item 7 – A Paciência
Suportemos

“Tenha a paciência a sua obra perfeita.”
Thiago 1:4.

Detem-te um minuto no torvelinho das preocupações costumeiras e repara que deves o próprio equilíbrio à Paciência Divina, a sustentar-nos em cada instante da vida, através de mil modos.
Muita gente, talvez, em te fitando na ternura do recém-nascido, duvidasse da tua capacidade de sobreviver para a existência terrestre, mas Deus teve paciência contigo e conferiu-te o devotamento materno que te ajudou a ativar as energias do próprio corpo.
Entendidos de psicologia, em te anotando a intempestividade infantil, provavelmente desconfiaram da tua possibilidade de alfabetização, mas Deus teve paciência contigo e concedeu-te a heróica ternura de professores abnegados que te abriram novos horizontes no campo da educação.
E a paciência do Senhor, cada dia, permite generosa que tales (destruas) plantas inermes, que te assenhoreis do suor e do sangue dos animais, que te apropries das forças da Natureza e que te valhas, indiscriminadamente, do concurso dos semelhantes para que te alimentes e mediques, restaures e instruas.
Lembra-te dessa Paciência perfeita que te beneficia e cultiva paciência para com os outros.
O companheiro cuja aspereza te ofende e o aprendiz cuja insipiência te irrita são irmãos que te rogam cooperação e entendimento, e quantos te caluniam ou apedrejam são doentes que te pedem simpatia e consolo…
Mas para que colabores e compreendas, harmonizes e reconfortes é necessário que a tolerância construtiva te alente os passos.
À frente dos óbices de todo gênero, guarda a paciência e ajuda, e, diante dos ataques de toda ordem, cultiva a paciência que esquece.
Escuda-te, pois na paciência para com todos, sem jamais te esquecer de que a alegria dos homens é a paciência de Deus.

Do livro – Palavras da Vida Eterna
Autor Espiritual Emmanuel
Psicografia – Francisco Cândido Xavier