Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA CONVIVÊNCIA PACÍFICA

A paz legítima emerge do coração feliz e da mente que compreende age e confia.
(Joanna de Angelis)

Amigos do Grupo

A arte da convivência é sem dúvida nosso maior desafio na vida.
Poderíamos dizer que esse desafio se deve as pessoas que nos inquietam, que nos perturbam que nos desequilibram. Mas analisemos: Porque nos atingem?
Porque pensam diferente de nós, e agem de acordo com sua própria cabeça e não como a nossa, e isso nos perturba, pois orgulhosos que somos nos achamos sempre certos em nossas decisões.
Se já conseguíssemos entender e aceitar que os outros são diferentes de nós, que estão num momento evolutivo diferenciado, e que não vão mudar apenas porque nós queremos, viveríamos muito mais pacificamente convivendo num clima de aceitação e respeito ao outro.
Então percebemos que para termos convivência pacifica e saudável, com todos, cabe a nós sermos bons cristãos e tratarmos o outro com a compreensão e respeito que todos gostamos de ser tratados.

Texto do Evangelho – Capítulo X item 16 A Indulgência

A psicografia abaixo nos traz um alerta de um irmão desencarnado que abriu seu coração num importante trabalho de nossa casa para nos ajudar a refletir na nossa própria vida através de sua vivência.
Estejamos na paz do Cristo!

Mas como conseguir paz se corremos atordoados sem mesmo termos o discernimento para onde estamos indo? Se ao menos parássemos por alguns instantes para refletir sobre o que temos feito e o que, no fundo da nossa alma, queremos de fato! O que queremos? O que podemos? O que temos construído? Sabemos o quanto é difícil a luta diária. Sabemos quanto nos custa a sobrevivência de si mesmo e daqueles que dependem de nós… Mas… Paremos por alguns instantes. Façamos uma reflexão sobre o que é mais importante. Temos nos olhado nos olhos? Temos nos abraçado? Temos dado algumas palavras de conforto? Temos ouvido desabafo e acolhido o sofrimento de nosso próximo? O que almejamos? Atingir a tão almejada estabilidade para usufruir do esforço que tivemos nas labutas da vida, mas muitas vezes chegando tão doentes ao final que mal podemos gozar e sentir o verdadeiro bem estar que gostaríamos… Às vezes sós e um tanto quanto desiludidos…
Estou aqui, desiludido e desencarnado. Esperando nova oportunidade pois na encarnação é que podemos provar (para nós mesmos) o que aprendemos. Penso que aprendi que na vida não podemos esquecer que as pessoas que estão ali conosco o estão por uma razão muito importante. Temos que trabalhar e lutar pela sobrevivência, mas não podemos deixar as pessoas, esquecê-las, desprezá-las por termos afazeres mais importantes.
Gostaria de poder voltar atrás para refazer muitas coisas que não fiz direito, de dar mais atenção para quem de fato estava ao meu lado e eu não enxergava. Mas agora, esclarecido e com a benção da reencarnação, sei que poderei exercitar este aprendizado que, infelizmente só fui perceber depois da morte do corpo.
Quero deixar esta mensagem a todos vocês que estão tão cansados, que tem tantos afazeres… Procurem alguns minutos do seu dia para refletir. Se a convivência com alguém está difícil, peça em oração para que haja uma oportunidade de aproximação. Mas cuidado, apontar erros alheios, não vai levar a lugar nenhum.
Olhar com amor, ouvir com atenção, oferecer apoio, com certeza quebrará as barreiras do relacionamento.
Busquemos a paz… Incansavelmente… Busquemos a paz em Cristo e saibamos: ela já está em nós, basta senti-la.

Obrigado! Felicidades!
Mensagem recebida em 08/10/2011 por uma aluna do C.E.M.

impressora