Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA CARIDADE PARA CONOSCO

MÊS DO EXERCÍCIO DA CARIDADE

Amigos do Grupo

“Não nos esqueçamos de que há também uma caridade que devemos a nós mesmos, a fim de que a caridade que venhamos a praticar, à frente do mundo, não se reduza a mera atitude de superfície.”
Emmanuel

Quando falamos em caridade, sempre pensamos na caridade que devemos ao próximo, mas não podemos esquecer de que, assim como o amor, a caridade nasce primeiramente no íntimo do Ser que a pratica. Por isso, quando exercemos a caridade com o outro já a exercitamos na intimidade da alma.
Que esse exercício possa nos trazer a compreensão de que somos espíritos imortais, trilhando um caminho de constante aprendizado e crescimento, onde a cada dia encontramos desafios que nos estimulam ao desenvolvimento e ao progresso espiritual.
Praticar a caridade consigo mesmo começa antes de tudo, na tomada de consciência de si, compreendendo a responsabilidade que temos com os nossos atos, com os efeitos que eles nos trazem, e principalmente, com o nosso papel na busca incessante da elevação espiritual. É enxergar dentro de si as falhas, os orgulhos e a partir dessa análise oferecer a nós mesmos a ajuda necessária para superarmos e corrigirmos essas imperfeições.
Sejamos, então, caridosos conosco mesmo, aproveitando as lições que a vida nos oferece, buscando ver em cada situação, em cada acontecimento, uma aula, um ensinamento, porque é dessa maneira que estaremos tirando o melhor proveito da grande oportunidade que estamos vivenciando na presente encarnação.
Jesus nos disse:”Sois Deuses, podeis fazer o que eu faço e muito mais”, nos revelando o grande potencial divino que existe dentro de nós. Desenvolvamos essa potencialidade na pratica da caridade com o outro, mas também conosco mesmo, buscando incessantemente, sermos melhores hoje que no dia anterior e amanhã, que no dia de hoje.

Texto do Evangelho para a semana: capitulo XI – item-13″A Fé e a Caridade”
CARIDADE CONOSCO

À frente do companheiro que avança em tua companhia na senda redentora, não te refugies na indiferença. Ajuda-o com a tua palavra estimulante e estarás colocando a fraternidade no vaso da própria mente.
Se surpreendido pelo ataque dos maledicentes e dos ingratos, não te associes à revolta. Ampara-os com o esquecimento de todo mal e estarás cultivando a paciência no solo da própria alma.
Diante dos choques desferidos sobre o teu sentimento pelos maus, não te confies à desesperação. Fortalece-te para auxiliá-los, quando a oportunidade de cooperação amiga voltar novamente e estarás entronizando o verdadeiro amor no imo do próprio ser.
Quando a dificuldade ou o problema te buscarem à porta, não abraces a mentira brilhante da fuga. Esforça-te por recebê-los dignamente, incorporando-lhes as lições à tua economia sentimental e estarás enriquecendo o teu imperecível tesouro de experiências.
Perante a deserção de alguém, não te cristalizes no pranto inativo e preguiçoso. Prossegue no trabalho que o Alto te confiou e estarás engrandecendo a fé, no templo de tuas melhores aspirações.
Se a maldade se aproxima, tecendo comentário aleivoso e cruel, não te entregues à onda escura do verbo desvairado e infeliz. Usa palavras de bondade e entendimento e estarás plantando a virtude, no campo da própria vida.
Se a cólera e a incompreensão te requisitarem o espírito a duelos torpes e inúteis, não caias no nível de sombra em que se expressam. Socorre os interlocutores com silêncio ou com o serviço e estarás cultuando a humildade no domicílio dos próprios ideais.
É preciso recordar o impositivo da caridade conosco, porque o nosso coração é uma taça que ainda trazemos repleta de veneno de nossos impulsos primitivistas, por tigrina recordação de outras eras.
Purifiquemos, auxiliemos, esperemos, sirvamos, toleremos e humilhemos-nos, praticando a renúncia construtiva, na compreensão e na aplicação dos deveres que nos unem ao Evangelho do Cristo e lavaremos o velho cálice de nossas emoções, substituindo os tóxicos da vaidade e do orgulho, da treva e do egoísmo, pela Água Viva do Infinito Bem que passará, então, a jorrar de nossa vida, para benefício de todos.
Caridade com os outros é dar o que retemos.
Caridade conosco é dar de nós.

Psicografia de: Francisco Cândido Xavier
Pelo Espírito: Emmanuel.
Do livro : Escrínio de Luz

impressora