Sistema de Dados

Perdeu sua senha?

Repositório de Dados

Perdeu sua senha?

SEMANA DA ALEGRIA NO TRABALHO

“Quando o trabalho é prazer, a vida é uma grande alegria…”
Máximo Gorki

AMIGOS

Trabalho é Lei Natural, nos dizem os Espíritos na questão 674 de o Livro dos Espíritos; e dizem também: “Toda ocupação útil é trabalho” – q. 675.
Sabemos que só conseguiremos atingir a felicidade quando nos harmonizarmos com as leis de Deus. Se o trabalho é Lei Divina busquemos, então, nessa bendita oportunidade, o instrumento para a nossa felicidade e ascensão espiritual.
Que possamos nesta semana refletir na preciosidade do trabalho em nossas vidas. Não apenas o trabalho remunerado, mas também aquele dedicado ao bem-estar e progresso dos que estão a nossa volta.
Jesus nos disse: “MEU PAI TRABALHA ATÉ HOJE E EU TRABALHO TAMBÉM” (João – 5-17), nos mostrando que o trabalho é o caminho, o meio e o fim, para que atinjamos o progresso que necessitamos.
Pensemos no exemplo do Mestre Jesus e imitemo-Lo, dando graças pela honra do trabalho no lar, junto aos filhos, aos afazeres infindáveis, no exercício da profissão e na alegria de servir à comunidade.
Que seja o trabalho motivo de constante alegria em nossas vidas!

O trabalho é uma Lei Divina.

Texto do Evangelho para a semana: Capitulo: XXV – Item – 03

A alegria do trabalho

Um grande pesquisador da alma humana, interessado em estudar os sentimentos alimentados no íntimo de cada ser, resolveu iniciar sua busca junto àqueles que estavam em pleno exercício de suas profissões.
Dirigiu-se, então, a um edifício em construção e ali permaneceu por algum tempo a observar cada um daqueles que, de uma forma ou de outra, faziam com que um amontoado de materiais fossem tomando forma de um arranha-céu.
Depois de observar cuidadosamente, aproximou-se de um dos pedreiros que empurrava um carrinho de mão, cheio de pedras e lhe perguntou:
Poderia me dizer o que está fazendo?
O pedreiro, com acentuada irritação, devolveu-lhe outra pergunta:
O senhor não está vendo que estou carregando pedras?
O pesquisador andou mais alguns metros e inquiriu a outro trabalhador que, como o anterior, também empurrava um carrinho repleto de pedras:
Posso saber o que você está fazendo?
O interpelado respondeu com presteza:
Estou trabalhando, afinal, preciso prover meu próprio sustento e da minha família.
Mais alguns passos e o estudioso acercou-se de outro trabalhador e lhe fez a mesma pergunta.
O funcionário soltou cuidadosamente o carrinho de pedras no chão, levantou os olhos para contemplar o edifício que já contava com vários pisos e, com brilho no olhar, que refletia seu entusiasmo, falou:
Ah, meu amigo! eu estou ajudando a construir este majestoso edifício!
* * *
Neste relato singelo, encontramos motivos de profundas reflexões acerca do trabalho.
Em primeiro lugar, devemos entender que o trabalho não é castigo: é bênção. Deve, por isso mesmo, ser executado com prazer.
E o meio de conseguirmos isso consiste em reduzir o quanto possível o cunho egoístico de que o mesmo se reveste em nosso meio.
O trabalho é lei da natureza, mediante a qual o homem forja (fabrica) o próprio progresso, desenvolvendo as possibilidades do meio ambiente em que se situa, ampliando os recursos de preservação da vida.
Desde as imperiosas necessidades de comer e beber, defender-se das intempéries até os processos de garantia e preservação da espécie, o homem se vê compelido à obediência à Lei do trabalho.
O trabalho, no entanto, não se restringe apenas ao esforço de ordem material, física, mas, também, intelectual, pelo labor desenvolvido, objetivando as manifestações da cultura, do conhecimento, da arte, da ciência.
Dessa forma, meditemos no valor do trabalho, ainda que tenhamos que enfrentar tantas vezes um superior mal-humorado, um subalterno relapso, porque as Leis Divinas nos situam exatamente onde necessitamos. No lugar certo, com as pessoas certas, no momento exato.
Convém que observemos a natureza e busquemos imitá-la, florescendo e produzindo frutos onde Deus nos plantou.
E, se alguém nos perguntar o que estamos fazendo, pensemos bem antes de responder, pois da nossa resposta depende a avaliação que as leis maiores farão de nós.
Será que estamos trabalhando com o objetivo de enriquecer somente os bolsos, ou pensamos em enriquecer também o cérebro e o coração?

Redação do Momento Espírita.